• Brasil
Ramatis Livros Espíritas Universalistas

Demérito da Vida nesse Planeta

Demérito da Vida nesse Planeta

Facebooktwitter

Por Wladimir Jr do IPPB de São Paulo – www.ippb.org.br

Tenho deparado com pessoas e lugares onde existe uma discussão sobre estar ou não encarnado. O interessante é que parece existir um consenso geral, no qual, estar aqui, nesse planeta, nesse momento, é uma porcaria. Existe um olhar de demérito, discriminatório, sendo até negativo sobre esse tema. E a questão está, as vezes, sobre debate nos meios onde existe o esclarecimento sobre as idas e vindas da essência, do espírito, nesse plano e em outros semelhantes. Talvez um mero estudo formal, ainda não vivenciado e transformado pela consciência.

Longe de ser um esclarecedor, vai a seguir, a ideia que tenho sobre tal assunto:

Talvez aqui seja um dos únicos lugares onde é possível ter consciências avançadas no nosso convívio cotidiano. Quem dera ter a experiência de compartilhar um dia nesse planeta com Jesus, ou Buda, ou Krishna ou Ramakrishna, dentre tantos outros. Somente aqui é possível, ter consciências livres, e ao mesmo tempo, outras ainda tão atrapalhadas – no mesmo nível, só que no sentido inverso.

Claro que estar aqui é difícil. Mas essas consciências amigas vieram até nós e viveram. Onde está o demérito delas? Onde está a discriminação para com essas consciências? Eles labutaram como nós e praticavam a espiritualidade no dia adia. Não renegaram a vida daqui, e mesmo assim, fizeram o que tinham de fazer. Concordo que a condição na qual eles se encontravam, e a tarefa atribuída a eles, pode ser diferente da nossa. E concordo também, que todos eles passaram por muita coisa que nós passamos hoje, dada as devidas proporções no contexto onde cada um esteve. Frio é frio, calor é calor, fome é fome, sede é sede, diarreia é diarreia. Simples assim. Eles tiveram e nós também. A questão é como eles vivenciaram essas experiências e como nós vivenciamos as nossas.

Talvez o ranço de estar aqui seja por não gostar daqui. Querendo ou não isso não mudará o fato de estar. Talvez o problema seja o medo de saber que não estamos tão bem ainda, a ponto de ter as experiências aqui ainda não seja uma opção. Talvez o fato de observar tanta coisa para ser trabalhada seja a alavanca desse preconceito todo. Ou, simplificando mais ainda, talvez tudo se limite a pensar demais, e deixar o dia a dia passar. Portanto, ao olharmos para as almas livres, é bom começar a observar o quanto eles vivenciaram o cotidiano, o presente, pois foi através disso que o trabalho deles se desenvolveu entre nós. E digo novamente, somente nesse plano, seria ou é possível, acessar consciências avançadas, para a maioria de nós. O fato de estar ao lado dessas consciências e compartilhar o sorriso de uma piada, um abraço amigo, uma música inspiradora, só é possível aqui, pois, se fosse em outro plano mais sútil, não teríamos essa oportunidade. E sempre lembrando que devem existir outras almas livres transitando entre nós, só que não percebemos…talvez por estar pensando demais no mérito ou demérito de estarmos aqui. Enfim, tudo é sintonia.

Portanto, sem viajar demais no tema, se você tem ainda essa ideia do demérito nesse planeta, ou ainda acha que é sua última vida como um aluno, talvez seja bom viver a vida e nem gastar energia com tudo isso. E desencana também sobre mudar de planeta, de plano, de corpo, pois você é o que é. Como consciência espiritual seu passaporte é você mesmo, em qualquer lugar. Mude, cresça, viva e aprenda.

Facebooktwitter