• Brasil
Ramatis Livros Espíritas Universalistas

O CORPO MENTAL SUPERIOR – ALTRUÍSMO E AMOR

O CORPO MENTAL SUPERIOR – ALTRUÍSMO E AMOR

Facebooktwitter

Ramatís (espírito), Norberto Peixoto (médium)

PERGUNTA: – E quanto às afirmações de alguns apômetras que o corpo mental superior é a sede do caráter, onde afirmam existirem qualidades e defeitos? É viável supor que através do corpo mental superior se deem tanto manifestações de espíritos mais evoluídos, já libertos das emoções, como de entidades intelectualizadas e inferiores que “incorporariam” nos médiuns, mesmo sendo os temidos magos negros?

RAMATÍS: – Os espíritos superiores, libertos das emoções, se manifestam através do corpo mental superior. O mesmo não ocorre com entidades intelectualizadas, desprovidas de amor e altruísmo, apegadas aos desejos grosseiros e às emoções animalizadas eivadas de egoísmo e vaidade. Vossos modernos aviões não cruzam as sinaleiras das esquinas do bairro metropolitano, chumbados ao solo, e os vossos trens não perpassam em trilhos nos céus. O javali que se banha na lama não voa acima dos jardins floridos como o beija-flor, assim como a sombra e a luz não habitam o mesmo espaço. Eis que a primeira é a ausência da segunda. Assim, a cada um é dado se manifestar de conformidade com a sua natureza, através dos corpos sutis que acomodam o espírito em sua gradação, nas dimensões vibratórias do Universo.
Os corpos sutis, com seu conteúdo, são regidos pelas leis da natureza cósmica e independem da vontade dos homens.

Afirmamos que o corpo mental superior não é formado de matéria que contenha imperfeições, maldades, enfermidades. Muito menos emoções e sentimentos negativos transitam nas “vias expressas” da dimensão no Universo que corresponde vibratoriamente a esse veículo da consciência.

Infelizmente, existe muita incompreensão sobre o plano mental e os seus habitantes naturais, principalmente dos que só tiveram o embasamento espírita (onde tudo se resume ao perispírito) antes de iniciar ativamente os trabalhos apométricos. Os espíritos que habitam a dimensão vibratória que sustenta o corpo mental superior não têm mais os corpos astral e mental inferior. São seres libertos do ciclo carnal e de carmas que os imantariam aos níveis astral e mental inferior. A partir dessa esfera, que é o habitat natural de tais consciências, o nível causal, quando há necessidade de “descidas” vibratórias para atuar nas dimensões mais densas (mental inferior, astral) moldam para si um corpo de ilusão, temporário, de matéria própria do plano onde vão se manifestar.

A característica vibratória preponderante do corpo mental superior e da matéria que forma o plano dimensional correspondente é o altruísmo, a espiritualidade embasada no amor. Podeis concluir que os magos negros e seus discípulos de grande intelecto têm o corpo mental inferior altamente dilatado, e inexiste correspondência vibratória que os faça manifestarem-se através de seus corpos mentais superiores. Mesmo que a maioria dos magos negros seja altamente desenvolvida intelectualmente, eles são incapazes de sentimentos altruístas; os desejos que os movem são meramente pessoais, logo têm seus corpos mentais superiores “atrofiados”, “adormecidos” e não desenvolvidos.

Tende em mente que os espíritos altamente comprometidos com a magia negra podem utilizar, como veículo da consciência, apenas o corpo mental inferior, que, por sua vez, está emaranhado na matéria peculiar ao plano astral. É inevitável que suas atividades estejam restritas aos níveis inferiores do plano astral e, consequentemente, do plano físico, pelas energias animalizadas que utilizam.

Quanto a benfeitores espirituais que estariam orientando trabalhos apométricos no sentido de haver manifestações psicofônicas de espíritos sofredores e magos negros, através de seus corpos mentais superiores, atribuí tais condutas ao fato de alguns sensitivos terrenos não desejarem rever equívocos de pesquisas experimentais. É fácil usarem-se os guias como bengalas para ancorar os comportamentos idiossincráticos, seja na apometria, no espiritismo ou na umbanda, pois são inerentes aos homens, desde idos imemoriais, as disposições psicológicas que fazem o sujeito colorir as comunicações do “lado de cá” com tons personalistas.

A falta de aprofundamento na literatura especializada causa um confronto dispensável com a sabedoria milenar transmitida, em vários locais e eras diferentes, pelos instrutores planetários por intermédio dos santos e místicos da História. Há uma progressão nos conhecimentos canalizados pelo plano espiritual que aprofunda o já estabelecido sem contrariá-lo, o que alguns irmãos esquecem com muita facilidade. Será inevitável, com o pulso firme do fiel professor do tempo, a verdade prevalecer na cátedra da pré-escola espiritual que é o vosso orbe.

DO LIVRO: “VOZES DE ARUANDA” RAMATÍS E BABAJIANANDA/NORBERTO PEIXOTO – EDITORA DO CONHECIMENTO.

Facebooktwitter