• Brasil
Ramatis Livros Espíritas Universalistas

O que faço se não consigo atendimento Apométrico ?

O que faço se não consigo atendimento Apométrico ?

Facebooktwitter

Falta corrigir, Dalton

Em 1º lugar o atendimento não é Apometrico, mas espiritual, porque a Apometria é só um grupo de técnicas a ser usada na desobsessão, logo se você estiver passando por um problema, ele já foi programado pela espiritualidade desde antes de seu nascimento, faz parte da sua caminhada nesta vida.
Podemos minimizar aceitando o que foi programado, ou brigar e piorar a situação, resolvi escrever esse artigo pelo número de pessoas que pedem auxilio a distância, muitos leem meus artigos e acham que nossos grupos são fantásticos, e não são, somos um grupo espiritualista normal, eu apenas divulgo o nosso conhecimento para partilhar com os colegas de jornada, mas não somos milagreiros.
Quem está habituado a ler a literatura espirita de André Luiz, Robsom Pinheiro e tantos outros sabe que quando já aprendemos o que o carma quer nos ensinar, somos encaminhados há um atendimento se não acharmos um local próximo, somos atendidos dormindo pelas equipes de médiuns que são desdobradas e atendem pessoas de qualquer lugar do Brasil.
O que tem que ser entendido, é que ninguém passa sem merecer, e que muitos desses casos é de médiuns que não quiseram trabalhar e daí vem a cobrança. Logo não são vitimas ,mas quando receberam o chamado não escutaram, ou que a dor física faz parte de um carma também.
Eu mesmo luto com um reumatismo de origem neurológica desde os meus 28 anos, hipotireoidismo, deficiência renal por excesso de antinfamatorios, há semanas que não consigo levantar da cama, minhas mãos se dobram como garras enquanto durmo, e me acordo e levo até 30 minutos pra conseguir caminhar normalmente, tenho dificuldade de absorver várias vitaminas, e faço reposição eletrolítica todos os dias, como veem, minha vida é bem difícil, mas sei que tudo isso é por ter trabalhado nas pesquisas com Mengele, em Auschwitz, como médico judeu.
Em muitas vidas de médico aonde fiz experiências com seres humanos, e olhem que sou espirita desde muito jovem e continuo trabalhando, se estou muito ruim, desmarco meus pacientes de terapia no consultório, e guardo energias para ir no Grupo Espirita de noite.
Minha vida financeira é um caos, meu marido ficou 3 meses definhando em uma cama de hospital ano passado com câncer nos 2 rins, mas com a Graça de Deus e dos mentores, sobreviveu a perda de 40 quilos, e hoje está curado, e poucas vezes faltei ao trabalho espirita,
E meu marido em 2 meses depois de sair do hospital ainda fraco voltou ao trabalho de cura, em novembro de 2014, e hoje em seu tempo livre faz as obras de nossa Casa Espirita.
Há maioria das pessoas não entendem que não temos dons, mas dívidas a pagar, e mesmo trabalhando na espiritualidade, quitamos nossos débitos, não somos privilegiados por estarmos trabalhando…
Robson Pinheiro cita que no 3 livro de Legião, no dia de lançamento estava hospitalizado, sem diagnostico, Chico Xavier enfrentou muitas doenças e a quase cegueira, mas seguiu em frente. Todos os médiuns do Dr. Fritz morreram acidentados, e por ai vai, quanto maior o compromisso maior a divida.
Ninguém é médium sem motivo, e esse motivo foi ter cometido faltas severas no passado, agora é a hora da cobrança.
Eu adoraria ser uma pessoa normal, não ter compromissos com a espiritualidade, chegar em casa as 19hs e ver a novela, ir a praia nos fins de semana, viajar, ter saúde, mas não vim pra isso, sou filha de uma mãe que não me quis…, com uma infância bem difícil, Graças a Deus tive uma 2ª mãe que foi um anjo e o amor de meu pai, mas ser abandonada foi o motivo que me fez querer secar as lagrimas dos outros.
Será que se fosse uma pessoa “normal”, teria levado a sério o chamado ao trabalho espiritual?
Médiuns de cura que não trabalham adoecem dos ossos e articulações, os de desobsessão de ataques de obsessores tenebrosos, e nada vai mudar isso, como os meus 27 anos de espiritismo não mudaram, os mentores me aliviam as dores, mas elas voltam, para que eu nunca mais esqueça o que infringi aos outros ,é o meu lembrete durante essa vida.
E sei que é, porque se fosse medica nessa vida tenho consciência que já teria há muito tempo continuado com minhas experiências genéticas, eu sinto dentro de mim que não mudei, então foi programado uma vida em que eu não tivesse interesse por Medicina.
Nunca fui vitima de ninguém nem de nada, fui algoz, que agora venho com as benesses dos mentores tentar quitar débitos sem murmurar, como diz o Cristo, “quem não carregar á minha cruz não poderá me seguir”.
Então se estão pedindo auxilio em Casas Espiritas e não estão sendo ajudados é porque não chegou a Hora.
Minha mãe adotiva foi uma franciscana nata, e uma das pessoas melhores que conheci, auxiliando tudo e todos, em toda sua vida, de uma bondade impar, mesmo assim lutou contra um câncer terrível aonde fez inúmeras cirurgias, sendo que o último ano ficou em cima de uma cama com câncer ósseo, em que mesmo com todo cuidado, ao dar banho ela se quebravam, e nunca quis morfina, dizia que oferecia a dor dela aos que não sabiam sofrer…não conheci pessoa melhor que ela nessa vida e nem tão valente é sempre meu exemplo de vida. Meu sogro idem espirito de alto escol que sofreu 3 canceres violentos, e acabou por falecer “sem murmurar…”
Então se for merecimento de vocês que pedem ajuda serão atendidos ao dormir, senão forem é porque ainda falta um pedacinho de carma á passar.
E aquelas pobres criaturas que sofrem nas camas de hospital ou em casa, devem ter algo bem sério há quitar como minha mãe quitou, ou ouviram o chamado ao trabalho, mas não quiseram assumir o compromisso, como ouço de muitos pacientes do Grupo, um dia vem a colheita, então devemos pensar bem no que plantamos, eu tenho colhido espinhos, mas foi isso que plantei no passado, hoje tento plantar flores, quem sabe na próxima vida sejam flores que eu colha?
DEISE MARA ZANINI

Facebooktwitter