• Brasil
Ramatis Livros Espíritas Universalistas

PALAVRAS DE DONA MODESTA SOBRE MÉDIUNS MAGOADOS

PALAVRAS DE DONA MODESTA SOBRE MÉDIUNS MAGOADOS

Facebooktwitter

Por Wanderley de Oliveira

Tenho para mim, que para pessoas tão perseguidas e caluniadas quanto nós, os médiuns destemidos, a maior lição que nos está sendo aplicada é a de não perder a alegria, o bom humor e o afeto na convivência.
Confesso que não é tarefa fácil. A tendência de quem muito apanha é ficar duro, teimoso, ríspido e reativo, expressões emocionais da mágoa e do rancor. A tendência é não ouvir mais ninguém e se fechar para o aprimoramento de seu exercício mediúnico.

Perguntando a dona Modesta a respeito do assunto, ela me disse o seguinte:

“Meu filho, a postura de quem apanha em nome de um ideal fica mais pesada, quando se toma as críticas e mentiras como algo pessoal, isto é, a respeito de sua competência no exercício daquilo que se faz.

Um médium magoado e reativo, que está sempre se defendendo daquilo que lhe atribuem na prática de sua mediunidade, é alguém que está em autoquestionamento, em dúvida sobre sua própria produção ou em conflito com algo a respeito dela. Em quaisquer dos dois casos é um sinal evidente de imaturidade emocional.

O médium seguro a seu respeito, com estima sólida e que possui como essência moral o desejo de servir, recebe com leveza e discernimento as sombras que tentam lhe abater.

Sua convicção não abre portas para a teimosia nas opiniões, sua coragem não caminha para a arrogância, seu conhecimento não é trampolim para a soberba.

A dureza das críticas e do desrespeito podem até lhe machucar, mas a fibra moral construída na humildade e na despretensão no uso de sua mediunidade, faculta-lhe um escudo de proteção incomparável, impedindo que a mágoa, o peso do desamor alheio e tudo que não sirva para a edificação de sua paz, seja diluído em seu coração em seu próprio favor.

Médiuns que acreditam na sua capacidade de ser útil e guardam consciência de seus limites vão lidar de forma muito saudável com a oposição a seu trabalho, porque separam claramente a sua mediunidade da sua autorealização na vida.

Quem vive para se autorealizar com os bons resultados de sua mediunidade chama para si um tributo custoso para o seu próprio bem estar.

Facebooktwitter