• Brasil
Ramatis Livros Espíritas Universalistas

Pérolas de Ramatís

Pérolas de Ramatís

Facebooktwitter

Por Noberto Peixoto – http://www.livrariadotriangulo.com.br/

A LINHA DO ORIENTE NA UMBANDA

Os orientais se apresentam como hindus, árabes, marroquinos, persas, etíopes, chineses, egípcios, tibetanos, e nos trazem conhecimentos milenares. São espíritos que encarnaram entre esses povos e que ensinam ciências “ocultas”, cirurgias astrais, projeções da consciência, cromoterapia, magnetismo, entre outras práticas para a caridade que não conseguimos ainda transmitir em palavras. Por sua alta freqüência vibratória, criam poderosos campos de forças para a destruição de templos de feitiçaria e de magias negativas do passado, libertando os espíritos encarnados e desencarnados. Incentivam-nos no caminho da evolução espiritual, por meio do estudo e da meditação; conduzem-nos a encontrar o Cristo interno, por meio do conhecimento das leis divinas aplicadas em nossas atitudes e ações; atuam com intensidade no mental de cada criatura, fortalecendo o discernimento e a consciência crística.

– do livro INICIANDO NA UMBANDA


SABEDORIA DE VOVÓ CATARINA D’ANGOLA

– Filho meu, pé que dá fruta é o que mais leva pedrada. Nunca revide e se for falar algo, cuida para que as palavras que saírem de tua boca sejam mais proveitosas que o silêncio. Em contrário, mantenha-se calado, pois as duas orelhas que Zambi deu ao homem é para ele falar menos e ouvir mais.

Lá Vem Vovó Descendo a ladeira com sua Sacola, è com seu patuá é com sua mironga, ela vem de Angola, Eu quero ver Vovó, eu quero ver, eu quero ver se filho de santo tem querer!!! Vovó eh pisa no gongá, passa a mão na pemba, não deixa filho tombar

 


NA UMBANDA TODOS DEVERIAM SER OUVIDOS E RESPEITADOS.
Mas na prática não é bem assim – intolerância intra-religiosa.
Por Norberto Peixoto.

É sabido do crescimento avassalador da intolerância religiosa no Brasil. Chegamos na época das agressões físicas contra indivíduos de outras confissões religiosas. Mas existe um tipo de intolerância tão ou mais destrutiva do que entre irmãos de religiões diferentes, falo de irmãos que se dizem da mesma religião – os “umbandistas” intolerantes. São como os “fiscais” da Umbanda, sempre a apontar o que é e o que não é Umbanda e a Umbanda deles é sempre a melhor. É comum escutarmos “Umbanda não cultua orixá, isto é coisa de nação”, “esta linha de trabalho não existe”, “a Umbanda não tem búzios”, “na Umbanda não “baixa” orixá”, “a Umbanda tem 7 linhas e pronto”, “a verdadeira Umbanda é a Umbanda branca”, “praticamos a Umbanda pura”, “só existe uma Umbanda, a Umbanda do Zélio”…

Creio que os intolerantes existentes por dentro da Umbanda ainda não entenderam os dizeres do Caboclo das Sete Encruzilhadas:

“Deus, em sua infinita bondade, estabeleceu na morte, o grande nivelador universal, rico ou pobre poderoso ou humilde, todos tornam-se iguais na morte, mas vocês homens preconceituosos, não contentes em estabelecer diferenças entre os vivos, procuram levar estas mesmas diferenças até mesmo além da barreira da morte. Amanhã, na casa onde meu aparelho mora, haverá uma mesa posta a toda e qualquer entidade que queira ou precise se manifestar, independente daquilo que haja sido em vida. Deus, em sua infinita bondade, estabeleceu na morte, o grande nivelador universal, rico ou pobre poderoso ou humilde, todos tornam-se iguais na morte, mas vocês homens preconceituosos, não contentes em estabelecer diferenças entre os vivos, procuram levar estas mesmas diferenças até mesmo além da barreira da morte. Por que não podem nos visitar estes humildes trabalhadores do espaço, se apesar de não haverem sido pessoas importantes na Terra , também trazem importantes mensagens do além? Porque o não aos caboclos e pretos-velhos? Acaso não foram eles também filhos do mesmo Deus?…Amanhã, na casa onde meu aparelho mora, haverá uma mesa posta a toda e qualquer entidade que queira ou precise se manifestar, independente daquilo que haja sido em vida, todos serão ouvidos, nós aprenderemos com aqueles espíritos que souberem mais e ensinaremos aqueles que souberem menos e a nenhum viraremos as costas a nenhum diremos não, pois esta é à vontade do Pai.”


FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO???

Não aconselhamos a ortodoxia espírita, capaz de impermeabilizar os seus adeptos contra qualquer outro esforço alheio e digno, no campo da espiritualidade. O Espiritismo, conforme já o dissemos, não tem como objetivo agrupar adeptos ferrenhos e estimular movimentos intolerantes. É empreendimento libertador da consciência e não imposição de seita. Significa o generoso fermento vivo que acelera o psiquismo humano e incita o homem a se libertar quanto mais cedo possível de sua animalidade. A sua missão fundamental, como um catalisador divino, é modificar e exaltar as qualidades de tudo aquilo em que pode intervir ou influir. É o denominador espiritual comum aferindo os valores nobres de todas as almas, em vez de se tornar qualquer ruga sectária, isolando trabalhadores de diferentes credos e que são devotados à mesma causa do espírito imortal.

– do livro MEDIUNISMO


O ÊXITO NO INTERCÂMBIO MEDIÚNICO

Os médiuns, em sua maioria, e antes de se encarnarem na Terra, prometeram cumprir à risca determinados programas com objetivos espirituais, que lhes expuseram no Além, com o fito de influírem algumas criaturas para a sua renovação interior. Entretanto, à última hora, grande parte negligencia ou foge do seu compromisso espiritual, enquanto outra vive de modo tão equivocado, que se toma impermeável à receptividade dos seus elevados mentores.
Às vezes, após incessante assistência cotidiana e benfeitora do guia junto ao seu médium, incentivando-o para que participe de certo trabalho mediúnico com o fito de abalar as convicções errôneas de algumas criaturas, eis que ele desiste de sua tarefa mediúnica da noite, preferindo realizar a visita trivial, demorar-se no drinque ao final do expediente, prender-se à prosa fútil ou entregar-se à aventura sensualista.
Como o êxito do intercâmbio mediúnico superior depende muitíssimo do estado vibratório do espírito do médium, isso só é conseguido quando ele se devota a uma vida sadia de corpo e de alma, a fim de manter-se pronto, a qualquer momento, para a convocação do serviço espiritual. Quando não é assim, ele apresenta-se para cumprir a tarefa junto ao terreiro, com os fluidos corrompidos, malgrado o esforço profilático dos seus guias para o sanearem das impurezas comuns. Afora de tudo isso, ainda existem os médiuns que buscam a concentração mediúnica depois de violenta discussão conjugal ou da altercação insultuosa com o vizinho barulhento ou colega de trabalho teimoso.

– do livro MEDIUNISMO.

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *