• Brasil
Ramatis Livros Espíritas Universalistas

REFLEXÃO QUE TODO UMBANDISTA DEVE FAZER

REFLEXÃO QUE TODO UMBANDISTA DEVE FAZER

Facebooktwitter

Norberto Peixoto

– COMO ESTÁ MINHA ROUPA BRANCA???

Assim como as sandálias, não substituem os pés, o caminho não é o caminhante. A liberdade do caminhante é que dirá a ele por onde caminhará. Somos frutos de nossas escolhas, buscas e aprendizados. E existe algo na vida que é importante – na dinâmica que nos educa: não nascemos prontos – muito pelo contrário, nascemos imperfeitos, como imperfeita é a vida.

Então, quando ingressamos num caminho sagrado – devemos nos despir – do passado e nos atirar – para o devir. Ao INICIARMOS no longo percurso que é a UMBANDA, é a partir dessa encruzilhada que os Orixás nos auxiliarão intensamente no caminho. Mas eles, nossas deidades de cabeça, juntamente com os Guias Astrais – não podem andar o caminho em nosso lugar. Desta feita, devemos nos desnudar do passado – antes/durante/após cada GIRA – e nos curvar diante do novo.

Estejamos atentos – que para seguirmos pelo/ para o caminho – devemos estar cientes que o caminho não será largo, plano e fácil, no entanto, estreito, por vezes em declive e aclive e pedregoso. E somente vestidos de modéstia – a humildade do eterno aprendiz é que de fato, nos fará chegar ao fim da jornada. Pouco adianta aparentarmos ser o que não somos a cada encontro no terreiro, quando vestimos o branco, se no dia a dia não interiorizamos nada que melhore paulatinamente nosso caráter.

Em nossa iniciação na Umbanda – recebemos uma roupa branca – e nos vestimos com ela a cada encontro ritual. Quando ao final de nossa jornada – teremos que mostrar essa veste para O Rei do pano branco, nosso Pai Oxalá. Ele, o pano branco, representará as condições da caminhada. Será então, a partir da avaliação – desde o iniciar da caminhada, até o final de nossa vida – representado nas condições desse tecido – ou seja, se ele ainda é branco e/ou quantas marcas, rasgos, remendos e sujeira adquirida – que revelará como nos portamos diante do caminhar em busca da evolução. Ou seja, a alvura desse tecido será, portanto, o resultado de nossa postura diante de nossos irmãos de caminhada terrena. Todos são observados pelos olhos do Universo, que tudo vê, – e o Senhor do Pano Branco – é o grande Mestre da ética e da moral a ser seguido.

Como está minha roupa branca???

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *