• Brasil
Ramatis Livros Espíritas Universalistas

REFLEXÕES NO CANTEIRO CONSCIENCIAL

REFLEXÕES NO CANTEIRO CONSCIENCIAL

Facebooktwitter

       (Todos Nós Estamos em Construção…)

Por Wagner Borges

Nós somos da Luz!

Ah, quantas vezes nós dissemos isso, mas, com trevas nos olhos…

No entanto, não notamos isso e continuamos repetindo esse erro.

Continuamos com a mesma ladainha de espiritualidade, mesmo cheios de pensamentos negativos.

Falamos de vida após a morte, mesmo indo chorar no cemitério no dia de finados!

E, pior: ainda nos comunicamos com o mundo espiritual de forma sobrenatural e mística, como se nós mesmos não tivéssemos a essência espiritual em nossos corações.

Afirmamos que a vida continua além da matéria, mas nos esquecemos de viver no aqui e agora do mundo, trazendo a espiritualidade para dentro da matéria.

Ah, às vezes, somos fantasmas de nós mesmos!

Mesmo assim, queremos ser mestres de alguma coisa… entretanto, sequer conseguimos ser mestres de nós mesmos.

Nós somos mesmos da Luz?

Ou isso é mais uma de nossas ilusões?

Perdoamos realmente?

Ou só fingimos ser bonzinhos para consumo externo?

Somos autênticos com nós mesmos?

Nos consideramos como consciências extrafísicas temporariamente aportados no mundo?… Ou só fingimos ser isso nas reuniões espirituais que participamos?

Somos realmente do Bem e da Luz?

Ou só estamos querendo ganhar recompensas celestes em algum paraíso fora de nós mesmos?

Se o dia de nossa morte física fosse hoje, aceitaríamos isso de coração?

Valorizamos mesmo o Amor?… Ou confundimos tudo com nossas tranqueiras emocionais?

Ah, falamos de reencarnação, mas continuamos racistas por dentro!

Gostamos de mantras*, mas, também usamos o verbo criador para falarmos mal dos outros…

Falamos de chacras**, mas nossas auras*** estão esmaecidas e com energias estranhas…

Frequentemente nos esquecemos do pai Celestial e, pelo contrário, nos lembramos bastante do nosso próprio ego.

Nós somos realmente da Luz?

Então, porque ficamos tristes com frequência, como se não tivéssemos recursos para melhorar as coisas?

Nós somos realmente elevados consciencialmente?… Ou “só estamos de sapato alto” com nossa arrogância e maneira de ser?

Nós somos realmente médiuns**** do Bem?… Ou os espíritos trevosos também chegam em nossas auras?

A vida infinita não é medida pelos nossos umbigos!

E quando descemos à Terra, não foi feriado no universo…

E quando partirmos daqui, também não será feriado nas estrelas.

Nós estamos valorizando essa vida?… Estamos aproveitando para crescer?

Ah, nós somos espíritos e viemos de muito longe… e a nossa essência é a mesma do Fogo da Vida que crepita na imensidão estelar.

Então, viemos da Luz e, eventualmente, retornaremos à Ela…

 

         P.S.:

         Sim, nós somos da Luz!

         Contudo, ainda estamos em construção…

         E vamos melhorar muito, com certeza.

 

         (Esse texto foi escrito dentro dos estúdios da Rádio Mundial de São Paulo – 95.7 FM – um pouco antes do início do programa Viagem Espiritual (apresentado todos os domingos, das 12h30min às 13h), e, em seguida, lido para os ouvintes.)

 

– Wagner Borges – mestre de nada e discípulo de coisa alguma.

       São Paulo, 29 de novembro de 2015.

      

         – Notas:

         * Mantra – do sânscrito – palavra oriunda de manas, mente; e tra, controle ou liberação – Literalmente, significa “Controle ou liberação da mente”.

Determinadas palavras evocam uma atmosfera superior que facilita a concentração da mente e a entrada em estados alterados de consciência. Os mantras são palavras dotadas de particular vibração espiritual, sintonizadas com padrões vibracionais elevados. São análogos às palavras-senhas iniciáticas que ligam os iniciados aos planos superiores.

Pode-se dizer que os mantras são as palavras de poder evocativas de energias superiores. Como as palavras são apenas a exteriorização dos pensamentos revestidos de ondas sonoras, pode-se dizer também que os mantras são expressões da própria mente sintonizada em outros planos de manifestação.

         ** Aura – do latim, aura – sopro de ar – halo luminoso de distintas cores que envolve o corpo físico e que reflete, energeticamente, o que o indivíduo pensa, sente e vivencia no seu mundo íntimo; psicosfera; campo energético.

         *** Chacras – do sânscrito – são os centros de força situados no corpo energético e têm como função principal a absorção de energia – prana, chi -, do meio ambiente para o interior do campo energético e do corpo físico. Além disso, servem de ponte energética entre o corpo espiritual e o corpo físico.

         Os principais chacras são sete – que estão conectados com as sete glândulas que compõem o sistema endócrino: coronário, frontal, laríngeo, cardíaco, umbilical, sexual e básico.

         Obs.: Ver o texto “Chacras e Cura Psíquica – II”, no seguinte link do site do IPPB: http://www.ippb.org.br/bioenergia/chacras-e-cura-psiquica-ii

         (E para mais informações detalhadas sobre bioenergia, aura e chacras, ver a seção específica no site do IPPB, no seguinte link: http://www.ippb.org.br/bioenergia).

         **** Médium – do latim, intermediário – é o indivíduo que tem a capacidade supranormal de perceber os seres extrafísicos e de servir de canal interplanos para eles se comunicarem com os níveis mais densos.

Obs.: Enquanto eu passava essas linhas a limpo, lembrei-me de um texto antigo, sei lá porque. Então, deixo o mesmo na sequência, como um complemento consciencial a esses escritos de hoje.

 

         UM GRANDE AMOR NUM PEQUENO CORAÇÃO

(Quando se Sente o Coração do Todo na Flama Espiritual)

 

Quando o homem eleva sua consciência acima do intelecto e das emoções, percebe a existência de um Grande Amor que permeia a tudo e a todos.

Esse Amor está presente todo o tempo, mas um véu de egoísmo se interpõe entre o coração e Ele. E é este véu que impede o divino potencial de florescer no Ser.

Então, por favor, deslize sua consciência para dentro do coração espiritual.

Se quiser, coloque uma das mãos no peito, e peça ao Grande Amor que lhe ajude a remover este véu, para que você possa percebê-lo dentro de você mesmo e, por extensão, também no coração de todos os outros homens.

Pense numa Luz Perene, Amor sem forma, apenas Consciência, que é sentimento puro se propagando silenciosamente…

Que você seja canal dessa Luz – que o seu coração seja médium deste Grande Amor entre os homens.

Que os seus medos possam ser removidos.

Que os seus bloqueios possam ser trabalhados de forma consciente.

Que esse Amor possa ser representado por uma grande Luz cor-de-rosa…

Como uma massa de energia rosada, interpenetrante, em seu coração.

Que você, com sua mão no peito, represente a todos os homens.

Que esse Grande Amor possa abrir as portas das divinas possibilidades que cada um carrega em seu próprio peito.

Há um fogo celeste em seu coração… é como uma acha de fogo espiritual, que vem aquecer o seu coração e abrir os caminhos.

Imagine que, entre a sua mão e o seu peito, existe uma chama… ela está envolvida numa esfera luminosa (ou, se preferir, num triângulo, entre a sua mão e o peito).

Pense que o Grande Amor está em você e, também, nos outros… e que, assim, volte ao Todo que o gerou. E, d’Ele, novamente ao seu coração, num eterno ciclo de Amor infinito… que vai e volta, vem e vai, sempre existindo.

E que essa chama possa iluminar os seus caminhos… e que você pense nisso, no Amor mais lindo de todos, entre sua mão e o seu coração.

Que você peça a Ele que haja benefícios para outras pessoas, sejam aquelas que vivem com você, e além…

Que esse Grande Amor seja lembrado e reverenciado todos os dias, na quietude do seu coração, no mais profundo do seu Ser.

Que você jamais se esqueça de, diariamente, lembrar-se dessa chama espiritual no centro de seu Ser. E que, todo dia, ela aumente um pouco mais e abra novos caminhos…

É isso aí: um Grande Amor, e uma chama secreta e sutil, em seu coração.

Lembre-se, lembre-se, lembre-se… o Todo* está em tudo!.

 

P.S.:

Esses escritos são a transcrição da gravação de uma prática espiritual realizada com a turma de 140 alunos do Grupo de Estudos e Assistência Espiritual do IPPB.

 

Paz e Luz.

 

– Wagner Borges – nas ondas de um Grande Amor.

 

– Nota:

* O Todo – expressão hermética para designar o Poder Absoluto que está em tudo. O Supremo, O Grande Arquiteto Do Universo, Deus, O Amor Maior Que Gera a Vida. Na verdade, O Supremo não é homem ou mulher, mas pura consciência além de toda forma. Por isso, tanto faz chamá-lo de Pai Celestial ou de Mãe Divina. Ele é Pai-Mãe de todos.

 

Facebooktwitter