• Brasil
Ramatis Livros Espíritas Universalistas

Remédios naturais para a depressão

Remédios naturais para a depressão

Facebooktwitter

Saiba que há outros tratamentos, não químicos, que podem mesmo ajudar

1 – Exercício
Quando praticamos exercício físico ocorre uma alteração geral no corpo. Desde a ativação do metabolismo cardiovascular, vários tipos de alterações endócrinas no cérebro, alterações hormonais e mudanças fisiológicas. Este tipo de mobilização do corpo faz com que existam igualmente algumas alterações no nosso cérebro, contribuindo para mudanças positivas no estado de espirito. Por exemplo, fazer caminhadas curtas de 5 ou 10 minutos, aumenta a energia e reduz a tensão.

2 – Terapia de luz
Quando os dias são mais curtos e escuros, no inverno, algumas pessoas são propensas a um tipo de depressão chamada de ‘transtorno afetivo sazonal’. Uma maneira de aliviar os sintomas pode ser a terapia de luz, que começa com sessões diárias de cerca de 15 minutos e pode aumentar até duas horas por dia. O tempo depende da gravidade dos sintomas e da intensidade da luz, determinadas pelo médico.

3 – Um diário de humor
A ideia é levar as pessoas a ter um pensamento positivo diariamente. Muitos psicólogos recomendam escrever um “diário de humor”, pois ajuda a manter o controlo sobre os acontecimentos, e reforçar as coisas positivas, não deixando que os maus momentos o deitem abaixo.

4 – Acupuntura
Promove o equilíbrio biológico e mental e aumenta a produção de endorfinas, responsáveis pela sensação de bem-estar.
Um estudo da Universidade do Arizona constatou que 64% dos participantes progrediu após este tratamento, em comparação com 27% do grupo que não fez tratamento.
Outro estudo publicado no Journal of Affective Disorders, que analisou pacientes com transtornos depressivos, a tomar antidepressivos, mostrou que havia mais melhorias se estes tivessem feito acupuntura, em comparação com aqueles que não fizeram.

5 – Grupos de apoio
São uma maneira de ajudar a tratar formas mais leves de depressão. Estes grupos oferecem informação sobre o tema, uma comunidade de apoio, bem como a oportunidade de aprender com pessoas que lidam com questões semelhantes. Os psicólogos recomendam também grupos que compartilhem interesses, quer se trate de um clube do livro ou ioga.

6 – Terapia cognitivo-comportamental
É definida como uma “educação sofisticada” para as pessoas com depressão. Uma forma de psicoterapia que se baseia no conhecimento empírico da psicologia. Baseia-se no facto de que os pensamentos desencadeiam sentimentos. Ser consciente dos pensamentos que temos e aprender a mudar os padrões destrutivos, pode alterar a forma como o cérebro funciona e a reacção às situações. É feita durante um curto espaço de tempo, com duração de 10 a 20 sessões, e mostra-se tão eficaz, como os medicamentos, no tratamento da depressão ligeira a moderada.

7 – Óleo de peixe
Este suplemento contém ómega 3 e ácidos gordos, que são encontrados em peixes como o salmão, atum e arenque. Os estudos não são conclusivos, mas acredita-se que o défice deste ácido em determinados momentos (como no período pós-parto) pode causar alterações de humor e depressão. Quando o consumo de alimentos com ómega 3 é alto, as pessoas tendem a ter menos propensão à depressão.

8 – Meditação
É tão eficaz a evitar a recaída quanto os antidepressivos, revelou um estudo publicado pela Archives of General Psychiatry. Segundo o Centro de Saúde Mental e Dependência, no Canadá, que elaborou o estudo, as taxas de recaída dos pacientes no grupo que recorreu a este método, não diferiram dos índices dos pacientes que receberam antidepressivos; já 70% dos pacientes que receberam placebos voltaram a apresentar sintomas de depressão.

9 – Açafrão
Um estudo do Journal of Ethnopharmacology sugeriu que o açafrão pode aumentar os níveis de serotonina, e outras substâncias químicas no cérebro. É tão eficaz como a fluoxetina (medicamento antidepressivo) na redução dos sintomas de depressão. Os participantes que tomaram o açafrão também sofreram menos efeitos colaterais, incluindo a transpiração e disfunção sexual, do que aqueles que tomaram fluoxetina.

10 – Ioga
Fazer uma posição/exercício pode aliviar o stress e os sintomas de depressão. Vários estudos têm mostrado que praticar ioga reduz a hostilidade, ansiedade e depressão, ao mesmo tempo que melhora a energia, a qualidade do sono e bem-estar.

11 – Auto Hemoterapia
A auto-hemoterapia é, como o próprio nome sugere, a terapia com utilização de sangue da própria pessoa. O sistema consiste em retirar 5 ml, 10 ml ou 20 ml de sangue da pessoa e, no mesmo momento, aplicá-lo no músculo (braço ou nádegas) de forma que o corpo do indivíduo crie mecanismos de defesa elevando os níveis de macrófagos de 5% para 22% (São os macrófagos que fazem a “limpeza” do nosso corpo, eliminando a fibrina, bactérias e vírus do organismo e são produzidos pela medula óssea). Esses níveis elevados de defesa, criados pelo próprio organismo, atingem o pico após 8 (oito) horas de aplicada a injeção e duram por até 05 (cinco) dias, quando então começam a diminuir até atingirem os valores normais de uma pessoa sadia (5%)

12 – chá de hipericão

Ingredientes
2g de folhas e galhos secos de hipericão
1 litro de água
Modo de preparo
Ferva a água e coloque num recipiente com as folhas de hipericão. Tape, deixe amornar, coe e beba a seguir. Pode-se adoçar a gosto. Tomar de 3 a 4 xícaras por dia.
O hipericão, Hypericum perforatum L., também conhecido como erva de São João, possui propriedades que agem como anti-depressivo natural em transtornos psicoativos, mau humor de carácter depressivo, ansiedade e/ou agitação nervosa.
O hipericão tem sido considerado como medicamento de primeira-linha no tratamento dadepressão leve à moderada. Seu uso está particularmente indicado quando os medicamentos antidepressivos clássicos são mal tolerados e também no tratamento de sintomas psíquicos da menopausa.
O extrato e hipericão pode ser encontrado em lojas especializadas em produtos naturais, mas é só aconselhado que se tome sob indicação e aconselhamento médico.

13 – Cloreto de Magnésio
O cloreto de magnésio relaxa o sistema nervoso por diversos mecanismos. Além de agir na musculatura contraída, ele também é bloqueador natural de um receptor cerebral chamado NMDA. Este receptor é estimulado pelo cálcio levando a uma hiperexcitação do cérebro, com irritabilidade, ansiedade, depressão e stress. O magnésio age como antagonista, impedindo esta hiperexcitação, ajudando a acalmar o sistema nervoso.

Facebooktwitter