• Brasil
Ramatis Livros Espíritas Universalistas

UM PENSAMENTO SOBRE A GRAVAÇÃO

UM PENSAMENTO SOBRE A GRAVAÇÃO

Facebooktwitter

Por André Almeida

Uma gravação (áudio tocado em aparelhos eletrônicos que condensam e emitem ondas sonoras captáveis pelo ouvido humano) é uma intenção; é o produto da somatória de vários fatores contribuintes e circunstanciais: gravação por gravação pode ser de qualquer música, conversa, ruídos, etc. A questão não é a gravação. A questão é que esta gravação de que falamos, é ato construído e elaborado que resulta de fatores e circunstâncias tais como: intenção de espiritualidade, ponto de aproximação das pessoas com sua dimensão de “ser humano de fé”, pensamento que construiu a fórmula que é a história do circo (que na verdade é uma técnica do âmbito da apometria, etc…) E isto quer dizer que a gravação se torna um instrumento, nesse caso disponibilizado para contribuir com a construção de uma relação que considere a dimensão de espiritualidade por parte das pessoas que a ouvem. Daí decorre que como normalmente as pessoas recorrem à este tipo de instrumento como a gravação como um meio de encontro com a espiritualidade, e que muitas vezes recorrem à esta espiritualidade para encontrar a solução de problemas impedintes de desenvolvimento, seja normal que os efeitos que surjam sejam estes que temos visto aqui na comunidade, alguns até desagradáveis, por hora. Há também que se considerar que os desafios, que podem ser inclusive interpretados por alguém de “produtos de alguma influência lançada no subconsciente ou inconsciente pela gravação” e que aparecem quando muitos ouvem a gravação, são realmente a expressão do processo de desordem, estabelecido para que haja a reorganização dos sistemas que compõem o sujeito ouvinte, de forma que esta “nova organização” possibilite o “evoluir”, criando espaço para o novo padrão vibratório, comportamental e de desenvolvimento que o tal ouvinte adquiriu a partir da dissolução do problema que havia originado os “efeitos negativos colaterais” que a audição da gravação pode provocar por algum momento.

ORDEM – DESORDEM – NOVA ORDEM

Ocorre que este processo é originado nas leis estruturantes da vida como a conhecemos. Se observarmos, a física, a química e a biologia já provaram que todo o fenômeno de constitui de: ORDEM – DESORDEM – NOVA ORDEM. E assim se dá com os fenômenos da fé. Quando procuramos a gravação e estamos com algum problema que dificulte nosso desenvolvimento positivo é normal que este acabe, por força de todos aqueles aspectos que compõem a gravação (de ser um produto que proporciona possibilidade de encontro com a esfera espiritual – foi sim elaborado para isto), por DESORDENAR algo em nossa vida de forma à realizar algum ajuste, uma atualização vibratória e comportamental que também chamam “reforma intima”. É sempre assim em tudo, “depois da tempestade, vem o sol”, “depois da guerra, o banquete da vitória”, etc… Até na economia é assim: “depois das crises o mercado se reorganiza para reordenar o capital”… Por isto de toda forma, se alguém por acaso se aproximar de ter um contato com a gravação ou mesmo ouví-la, e nesse momento apresentar desconfiança, questionamentos, dúvidas sobre a realidade da gravação, não tem problema, é assim mesmo: sabemos que no astral possuem realidade constituídas de alta inteligência, aprimorada intelectualidade e que servem ao propósito de não permitir o desenvolvimento espiritual real para muitos seres pela via do “uso do pensamento, da razão, da intelectualidade que questiona, suscita dúvidas inquietantes, bem fundamentadas numa lógica engendrada puramente na consideração do real, do que pode ser concebido num pensamento puramente racional/cognitivo/material.

apenas aproximar da gravação já opera seus efeitos

Dito isto, se alguém por ventura isto vivenciar, que bom! Já é um sinal de que a proximidade com a gravação já operou efeitos e que algo já se movimentou. Há também a possibilidade de este alguém vir simplesmente nem à ouvir a gravação inteira e se afastar: também normal! Isto por que a gravação, fundada nos princípios e leis universais positivas (por que há nas negativas) apoia-se na consideração de que seja preciso a vontade individual para que tudo aconteça. Em simples palavras, como sempre nos assinala o Faiçal: “está tudo dentro de seu coração”…

Tudo tem seu tempo. Tudo tem seu propósito.

E por isto, é que aqueles que vêm por exemplo para a comunidade, aproximam-se e de alguma forma interagem com a “questão da gravação”, podem ficar sossegados, invariavelmente haverá, mesmo que depois da desordem, a tão esperada “NOVA ORDEM”: normalmente dotada de muita coisa boa.

Penso que a gravação contenha em seu desenvolvimento – uma espécie de introdução… – que proporciona a proteção para que se opere os movimentos nas diferentes dimensões que compõem a realidade e que ao ouvi-la estaremos modificando.

A possibilidade de que algum ser possa tentar interferir no nosso movimento com a gravação existe, porém, como a gravação e nossa intenção de ouví-la juntas formam um ato de fé, alcança-se a proteção própria deste tipo de ato, ou seja, entramos em sintonia com a esfera das leis universais e dessa forma estamos protegidos pelo conjunto destas leis.

Se prestarmos atenção, a gravação foi elaborada de forma conjurtar em série, através de seu texto, séries de conteúdos que se dirigem ao bem, à recuperação, ao perdão, à evolução considerada como caminho onde ninguém incidiria em fazer mal ao outro.

intenção ao ouvir a gravação é sempre boa

Ocorre que junto com isso, a intenção da pessoa ao ouvir a gravação dificilmente será maléfica, E SENDO BENÉFICA ( por que quer se recuperar, evoluir…) torna-se afim, de novo, à sintonia e aproximação com uma realidade protegida, um campo vibracional como ocorre na prece, na oração…

Certamente ocorrem interferências, muitas discutidas aqui mesmo em outro tópico. Mas são as interferências próprias do fenômeno, todas reguladas pelas mesmas leis universais que falamos: e assim sendo não há a hipótese de alguém ouvir a gravação e ser gratuitamente prejudicado. As interferências negativas poderão ocorrer, organizadas sob estrutura da trajetória do sujeito: se o que tem para recuperar é muito muito grave, talvez sofra interferências negativas maiores. MAS DE TODA FORMA, independendo do que tem o sujeito à resgatar, a gravação não oferece perigo invencível, pois ela própria desencadeia um ambiente favorável para cultivamos o meio mais eficaz de nos protegermos de qualquer malefício: a proteção ocasionada pela conscientização da necessidade de melhora, a reforma íntima/positiva.

“ver” o que aconte no momento da Apometria depende do dom da clarividência…

 é exatamente assim que acontece e é da mesma forma que um trabalho em um grupo espiritual seja ele qual for: espírita, umbandista ou apometria, etc…em um determinado momento aprazado para iniciar uma reunião espiritual, ali estão a postos todas as entidades benfeitoras em auxilio e proteção daquele grupo…o mesmo acontece ao QUALQUER UMA PESSOA OUVIR A GRAVAÇÃO OU SIMPLESMENTE PENSAR NELA, QUERER QUE ELA ACONTEÇA…isso é, todas as entidades espirituais benfeitoras designadas acorrem em auxilio e proteção naquele momento…então, um trabalho espiritual acontece nesse momento…É A MULTIPLICAÇÃO DOS PÃES (no formato de auxilio espiritual) NÃO EXISTE LIMITES… LIMITE É NOSSO E NÃO DA ESPIRITUALIDD…sem fila de espera…sem preenchimento de fichinhas…sem aguardo de 21 dias…sem aguardo de tal dia da semana…sem nada…apenas com a força do seu pensamento… a gravação veio romper com a limitação do espaço físico…não existe hora marcada…(por exemplo,no nosso grupo, pela dificuldade dos participantes, as vezes chegamos esperar algum membro por uma hora) …não existe espaço físico determinado…AI, COM A GRAVAÇÃO TOCANDO EM SUA CASA VC TEM UM TRABALHO ESPIRITUAL ACONTECENDO AI DIA E NOITE…mas só verá quem tem o dom da vidência…só que com um detalhe: o que muda e muda mesmo dos trabalhos físicos é que, da forma da gravação, o livre arbítrio dos espíritos é mais observado e só virá quem quiser vir, só ficará quem quiser ficar…pois, ali, naquele momento, não tem prsente a energia K que é a energia humana, física que ajuda romper outras forças renitentes…mas nada que o velho ditado não resolva…: ÁGUA MOLE EM PEDRA DURA TANTO BATE ATÉ QUE FURA, isso é, insiste,insiste, até que, uma hora ele cede e vem para receber a ajuda e ai o amor, o perdão e o arrependimento entram inexoravelmente no coração dele…pronto, ai começa o caminho do retorno a Casa de Nosso Pai Celestial…..

Facebooktwitter