• Brasil
Ramatis Livros Espíritas Universalistas

Carnaval – Ramatís

Carnaval – Ramatís

Facebooktwitter

Não podemos louvar as conseqüências funestas e degradantes, que resultam comumente dos festejos de Momo, por força dos descontroles emotivos, das paixões desvairadas e alucinações alcoólicas, que fluem da extroversão dossentidos físicos na busca de satisfações exclusivamente carnais. Os foliões mais degradados, astutos, fesceninos e irresponsáveis procuram extrair toda sorte de proveitos, entre prazeres e aventuras censuráveis, graças à situação caótica carnavalesca! Mas essa escória de viciados, delinqüentes e sacripantas degenerados, que oneram as festividades carnavalescas pelo vício, lubricidade e má intenção, não é propriamente fruto desse ruidoso festejo, mas o amálgama
natural de indivíduos ruins e desregrados, os quais se afogam no álcool e cometem os crimes mais abomináveis, tanto no Carnaval, como em Noites de Natal, à porta de uma igreja como no umbral de um prostíbulo! Eles são maus cidadãos na “Semana da Pátria”, assim como filhos degenerados no “Dia do Papai”!
Mas o povo brasileiro possui nas suas veias o sangue alvissareiro e comunicável do português, a ingenuidade, infantilidade e o requebro de corpo do negro, a força e a liberdade incondicional do silvícola! Portanto, é gente expansiva, buliçosa e alegre nessa festança primária da carne, que cultua ídolos e fetichismos, homenageia os fenômenos comuns da natureza, aprecia as cores berrantes e os trajes exóticos, confia em responsos, simpatias, benzimentos e bruxarias, porque lhes vibra na alma primitiva os ritmos gritantes e nativos da velha África!
A carga emocional represada durante os 365 dias do ano, por força das obrigações prosaicas e limitativas da vida, então extravasa ante a plena liberdade dos sentidos nos dias de Carnaval! As vicissitudes, enfermidades, angústias, dores, sonhos desfeitos e os desencantos da existência física sublimam-se nos trajes coloridos e pitorescos, entre coleios e requebros, que fazem o povo esquecer-se durante 4 dias os pensamentos amargos e as emoções desagradáveis. Malgrado a crítica desairosa ao “País do Carnaval”, o povo brasileiro, simples, ingênuo e comunicativo, esbalda-se nos festejos de Momo, mas expõe à luz do dia as suas deficiências e os sentimentos primários, enquanto os países “superdesenvolvidos” conseguem dissimular, sob douradas etiquetas de boa conduta e erudição incomum, a sua moral artificializada, a ambição, cobiça e o egoísmo, além da crueldade das grandes nações exterminando populações indefesas, famintas e feita de andrajos!
Mas sob o toque divino e progressivo do Alto, em que tudo evolui e se aperfeiçoa, porque traz a chancela de Deus, o próprio Carnaval, em vez de extinguir-se como festa licenciosa e ignóbil, há de sublimar-se numa expressão sadia e artística, sendo no futuro a atração turística e folclórica do Brasil! A natureza expansiva e amorosa do povo brasileiro não tarda em alcançar um índice de alegria pura e sadia em todas as manifestações do próprio instinto inferior!

Livro: A Vida Humana e o Espírito Imortal- Ramatis/Psicografado por Hercilio Maes

Facebooktwitter